De acordo com o “European Cinema Yearbook 2007”, houve uma queda de aproximadamente 2,1% no número de espectadores na Europa, que passou de 911,5 milhões de espectadores para 892,2 milhões em 2007, levando-se em consideração 25 países europeus.  A queda é menor no norte da Europa, que registrou uma baixa de 2,6%, enquanto no leste e centro da Europa e nos países mediterrâneos houve 3,5% de queda.
O movimento foi contrário ao ano anterior, quando houve uma alta da audiência em alguns países europeus.

Em 2007, a França, a Alemanha e a Espanha fecharam o ano com quedas expressivas, que significaram uma perda de 10 milhões de espectadores na França (de 188,7 milhões para 178,1) e 11 milhões na Alemanha, que passou para 125,4 milhões de espectadores.

A França, todavia, continua sendo o maior mercado do setor na Europa, seguida pelo Reino Unido, que apresentou um crescimento de 3,8%, recuperando as perdas do ano anterior e ocupando a posição de segundo maior mercado europeu, com 162,4 milhões de telespectadores.

A Itália apresentou o maior crescimento dos países analisados, 12%, o que se traduziu em um total de 114 milhões de espectadores, o melhor resultado desde 1986, subindo uma posição e empurrando a Espanha para o quinto lugar, entre os cinco principais mercados cinematográficos europeus.
Mundialmente, o número de cinemas digitais dobrou, passando de 2.866 para 5.824, em 2007.  Na Europa o aumento foi de 55%, atingindo 824 cinemas, em 2007.  No entanto, com relação à infra-estrutura, o número de cinemas permaneceu praticamente estável na Europa, que registrou 11.833 em 2007, contra 11.393 no período anterior.

Com relação à distribuição de filmes, segundo pesquisa11 do Observatório Europeu de Audiovisual, publicada em fevereiro de 2007, em 2005 foram registrados 829 distribuidores ativos de filmes na Europa, incluindo distribuidores de filmes não nacionais.

Entre as principais empresas de controle europeu, a francesa Metropolitan Filmexport e a Entertainment Film Distributors do Reino Unido destacam-se como líderes, seguidas pelos ramos franceses de distribuições do grupo Pathé.